Mentes Lúcidas

Quando o racional fica em silêncio e vive no conformismo, torna-se parte do problema e perde a total credibilidade da razão

Terras sem condições de subsistência é dar esmolas para índios e quilombolas

Deixe um comentário

Imagem           Preservar as culturas

     Temos muito que aprender com a diversidade, os índios são os nossos primeiros farmacêuticos, biólogos e botânicos no Brasil.

        A Agroecologia é considerada uma ciência em construção que busca novas formas de manejo dos agroecossistemas, com a contribuição de outras disciplinas científicas, bem como dos saberes, conhecimentos e experiências dos próprios agricultores. Neste sentido, a hipótese, por sua história e configurações, as comunidades Remanescentes de Quilombos e as suas agriculturas têm contribuições a oferecer para os estudos e avanço da Agroecologia e assim propiciar as condições para a construção de novos modelos de agriculturas sustentáveis. Podemos obter conhecimentos tradicionais com eles nestas áreas.

Notícias

Modelo em agroecologia está ameaçado de despejo em São Paulo

          Uma dívida histórica

         Muitos discordam (ou até com tudo), mas invadiram suas terras, violaram as mulheres, venderam as crianças e escravizaram homens… Os governantes devem proporcionar aos índios e quilombolas vida digna não por esmolas, mas sim dar acesso ao conhecimento de técnicas agrícolas para o desenvolvimento sustentável de agroecologia, ensino educacional de qualidade com incentivos a ciências e pesquisas, prevenção e atenção à saúde, segurança garantida.

           Trabalho

      Capacitar os índios e quilombolas, e ainda aproveitar o conhecimento prático que possuem, para que produzam para subsistência e até para atender a demanda de alimentos em escolas, instituições públicas, organizações, asilos, creches, orfanatos, hospitais. Com isso podem receber uma quantia em dinheiro (a ser planejada) e isenção de impostos; conhecimento nas técnicas de carpintaria, tecelagem, eletrônica, agrícola, mecânica e o que mais for essencial ao básico, sempre voltado para a sustentabilidade, desenvolvimento e ciência; saneamento básico através de tratamento ecológico de esgoto (fossas sépticas ou outro sistema), captação de água e tratamento da água de chuva; utilização de energias renováveis, total independência de custos financeiros com e água; utilizar conceitos da antropologia, agroecologia e do etnodesenvolvimento de acordo com os saberes tradicionais.

                 Cultura

           Preservação da cultura e se perdida, deverá ter um resgate a estas mesmas; obrigação das aldeias e quilombos a manter a segurança nacional e parceria com comunidades e povo brasileiro ao desenvolvimento nacional por cooperação mutua; segurança ou até tratamento contra drogas e epidemias de doenças que assolam as aldeias e comunidades.

Complemento de leitura: 1- Artigo: Os índios do Século XXI

2- Quilombos, agricultura tradicional e a agroecologia: o agroecossistema do Quilombo João Surá sob a ótica da sustentabilidade.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s