Mentes Lúcidas

Quando o racional fica em silêncio e vive no conformismo, torna-se parte do problema e perde a total credibilidade da razão

Cuba: A Revolução Acidental

Deixe um comentário

485808_484544998232025_1211544837_nA ilha caribenha, Cuba, foi escolhida como sede do próximo congresso internacional de permacultura, o IPC 11, que acontecerá em novembro 2013. No encontro serão abordados os temas “permacultura a prova de furacões”, ‘sistemas permaculturais para ilhas e cidades’ e ‘desafios na mudança climática’, além de exemplos da permacultura no estilo cubano.

Para entender como Cuba revolucionou seu meio de produção de alimentos é preciso entender um pouco de sua história. Desde sua colonização, Cuba foi influenciada pelas maiores potências econômica do mundo. Começou com a Espanha, Estados Unidos e a por fim União Soviética.

Em 1492 os espanhóis chegam a ilha a procura das riquezas do oriente, mas encontram o açúcar, que foi a mais valiosa mercadoria da época. A elite de latifundiários torna a ilha na “República da Banana”, um país dominado por interesses externos que extraiam suas riquezas.

Após a guerra de independência em 1898, vieram os interesses norte americanos que apoiaram governos ditatoriais em Cuba para  proteger seus interesses comerciais. Enquanto as maiorias dos cubanos viviam na miséria a sua riqueza era controlada por corporações estrangeiras. Tornando-se o bordel e refúgio das máfias norte americanas.

Do outro lado, trabalhadores, estudantes e camponeses pressionavam por mudanças. Em meados da década de 50 o país gradualmente foi consumido por uma Guerra Civil que só termina com a Revolução de 1959. As relações entre Cuba e os Estados Unidos começam a se romper quando as intenções de uma Cuba comunista se torna aparente após a aliança com a União Soviética.

Os americanos inconformados com a expropriação de corporações americanas e de terras rurais de posse de americanos na ilha cubana, e com o fracasso da operação na Baía dos Porcos (1961), impuseram um embargo econômico a Cuba, ameaçando cortar relações com qualquer país que fizesse comércio com a ilha. Foi quando a União Soviética entrou em cena comprando os produtos que seriam exportados, tornando Cuba totalmente dependente dos soviéticos.

A ideia inicial pós-revolução era desapropriar as terras dos latifundiários e corporações e redistribuir para pequenos agricultores. Na época da influência soviética a ideia foi parcialmente abandonada. O estado começa a produzir os alimentos, principalmente o açúcar para exportar para o bloco soviético.

Durante as primeiras 3 décadas após a revolução de Fidel, Cuba produz seus alimentos de forma mecanizada em um sistema industrial de agricultura que necessita grande quantidade de recursos não renováveis, o mesmo utilizado em países de primeiro mundo. Apoiado e subsidiado pela União Soviética, Cuba utilizou mais combustíveis, máquinas e  produtos químicos agrícolas por hectare do que qualquer outro país no mundo.

Após o colapso do bloco soviético em 1989, Cuba teve uma massiva diminuição no estoque de alimentos e fica sem combustível, químicos e fertilizantes para produzir alimentos. A ingestão de calorias da população caiu 2/3. Entraram em um momento de crise econômica chamado de “Período Especial”. Do dia para noite desaparece o principal fornecedor de energia da ilha e o desafio para alimentar uma população de 11 milhões de pessoas começa. Nesse período inicia o maior programa de orgânicos e agricultura sustentável que já houve.

O governo começa a encorajar a produção de alimentos em qualquer espaço vazio nas cidades, seja ele público ou privado. Foi aí que surgiram os “Organopônicos”, hortas em espaços públicos que são produzidas por cooperativas. O governo permite que as cooperativas ou famílias usem o terreno de graça desde que eles a utilizem para produzir alimentos. O governo ainda ajuda os agricultores com auxílio técnico e com os materiais  e ferramentas a custo mínimo.

Quase todas as instituições públicas são envolvidas na jardinagem, como escolas, hospitais, asilos e até fábricas. A horta urbana foi parte da solução para crise. Nas áreas rurais a terra é fértil e aprenderam a trabalhar com a natureza ao invés de controlá-la, sem manipular o meio ambiente.

Nos subúrbios de Alamar em Havana, em três hectares de hortas no meio da cidade é produzida a maioria dos vegetais consumidos na comunidade. Sem combustível para transportar alimentos a agricultura nas cidades virou uma necessidade.

Para ter um solo rico os cooperados coletam restos de comida na cidade para produzirem compostos e alimentarem as minhocas para produção de húmus. As hortas chegam a produzir mais de 50 tipos de culturas, entre vegetais, frutas, plantas medicinais e ornamentais.

Para o controle de pestes e pragas utilizam o controle biológico. Chegam a criar joaninhas e louva-deus, que são os principais predadores de insetos indesejáveis na ilha. Também utilizam bactérias para controle de alguns  insetos e inseticidas naturais extraídos do alho e da cebola para controlar fungos e doenças. Outra técnica é a utilização de plantas para controlar pestes (associação de culturas). O cravo-de-defunto repele alguns insetos enquanto os girassóis atraem insetos benéficos. A diversidade de plantas imita a natureza com diferentes espécies crescendo juntas, uma ajudando a proteger a outra.

A maioria dos alimentos cultivados é vendida nas barraquinhas das hortas e os preços são de acordo com a demanda. Essa feira livre é uma mudança radical para um país comunista onde praticamente tudo é controlado pelo governo, o que faz o trabalho no campo extremamente lucrativo. Metade do lucro é revertida na produção e a outra metade é dividida entre os trabalhadores.

Outro desafio foi no campo, para produzir leite a vaca precisa de proteína. Antes da crise importavam pílulas de proteína e uma inovação foi cultivar legumes em treliças. As vacas são movidas para diferentes pastos e áreas, assim dá tempo das plantas crescerem novamente. Essa inovação diminuiu os custos pela metade, podendo durar por anos. Outra inovação é o pasto com árvores, e dependendo da espécie de árvores plantadas podem fornecer boa parte da proteína necessária.

Após duas gerações utilizando máquinas na lavoura os métodos tradicionais foram deixados de lado e tiveram que ter aula com agricultores mais antigos para aprenderem a utilizar animais. O boi, por exemplo, é utilizado para arar, ajudam a fertilizar o solo, podendo entrar nos campos quando é muito molhado para os tratores.

Os camponeses ajudam a identificar e propagar as sementes e as variedades que foram naturalmente adaptadas às condições naturais da ilha, que é o oposto da agricultura industrial onde tem pequenas variedades de espécies e os químicos são utilizados para proteger as plantas. A difusão de sementes tornou-se um ‘programa nacional’. A ideia é retomar a biodiversidade de espécies na ilha. Quando um camponês consegue uma diferente espécie que se adaptou bem ela é propagada para tentarem em outras hortas.

Cuba praticamente abandonou a agricultura convencional, passando a produzir alimentos de forma orgânica e programar os princípios da permacultura. Hoje é produzido dentro da capital Havana 50% da necessidade de alimentos da cidade.

Hortas urbanas em Cuba formou uma paisagem que é única no mundo, produzindo mais que apenas alimentos, mas também espaços verdes, sombras e melhorando a qualidade do ar. Começou numa necessidade, se tonando hoje uma paixão com 10.000 hortas urbanas em Cuba.

Após a crise a ilha revolucionou seu modo de produzir alimentos diminuindo a energia consumida na produção. Em países desenvolvidos como Canadá é preciso 12 calorias de recursos não renováveis para produzir 1 caloria de alimento, em Cuba hoje a relação é oposta. Agricultores cubanos aprenderam a fazer muito mais com menos.

O que eles aprenderam sobre conservar recursos é uma lição crítica para os países “desenvolvidos”, principalmente pela quantidade de petróleo que é utilizada para produzir químicos agrícolas. Esse tipo de agricultura é totalmente vulnerável e dependente.

É utilizada na ilha uma agricultura agroecológica e sustentável, em pequena escala e com harmonia com o entorno urbano.  Descentralizou da produção e a comercialização e preparou o produtor.

Em menos de uma década Cuba encontrou um jeito de alimentar sua população consumindo apenas 5% da energia que qualquer outro país do hemisfério norte. A necessidade é a mãe da invenção, como produzir mais comida com menos químicos e combustíveis fósseis. Cuba mostrou que alternativas sustentáveis existem.

Texto original, adaptado: Cuba: a Revolução acidental de Lumiar Ramos

Leitura complementar:

Hortas orgânicas: Durante décadas, Cuba usou agrotóxicos e adubos químicos na agricultura. Hoje, quase toda a agricultura é orgânica, mostrando como alimentar um mundo faminto.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s